Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Coisas que guardamos

por Prince Ezo, em 24.11.15

Como foi o vosso fim de semana? 

 

Eu aproveitei para arrumar e limpar a casa. Não há nada como mudar de sitio os móveis para trazer outro tipo de Feng Shui, para alimentar os chakras e purificar a alma porque precisamos de movimento.

Na verdade não vos irei enganar. Movi a casa toda porque não encontrava o carregador do telemóvel.

Também nós temos o hábito de guardar coisas como se fossemos ser enterrados com elas numa piramide para irmos a outro mundo. Pelo menos a Cleópatra foi com cadeiras de marfim, taças de ouro e sapatos que não lhe matavam os pés. Se o mesmo se passar comigo, eu irei com recibos soltos, bilhetes de cinema, 17 garrafinhas de perfume semi vazias, a coleção completa das revistas do Pingo Doce e toda a quantidade de mini shampoos que trouxe de todos os hoteis que visitei.

Mas há uma simples razão pela qual nós acumulamos tanto... e é porque nunca sabemos quando voltaremos a precisar delas. Só isso já não é o sufeciente para nós guardarmos? E a isto chamo viver sob o lema " E se por acaso..." e funciona de uma forma muito simples.

"Deixa-me guardar este brinco se por acaso... volto a mesma praia onde perdi o outro.", "Vou ficar com este livro de cozinha japonesa se por acaso... se um dia aprender a fazer outra coisa que não sejam ovos mexidos.", "Vou guardar o meu antigo nokia se por acaso... um dos meus filhos um dia precisar de fazer um trabalho sobre a cronologia da comunicação." De certeza que vai fazer jeito..

É incrível a nossa capacidade de guadar canetas sem tinta, colares sem abertura ou sacos... sacos de presentes, sacos de supermecado, sacos pequenos, sacos grandes, com asas, sem asas... nós nunca sabremos quando iremos precisas de todos estes sacos. E alias, os meus estão todos contados. Alguém que lhes toque que terá de me prestar contas.

Outra coisa é... já repararam da quantidade de cabos que guardamos? Nós nunca saboemos onde se encaixam... ou de que aparelho pertencem... porque é tão dificil guardar o cabo com o aparelho a que pertence? Depois estamos a tentar deslaça-los todos.

Depois há coisas com o valor sentimental...

Como o diploma da escola... Passamos a vida toda a estudar e vamos deita-lo fora?

Na minha caixa de recordações tenho guardado... pacotes de açucar do "Amor é..." , tenho disquetes!  Uma pessoa nunca sabe quando não encontraremos um computador  para virificar que raio guardamos lá, tenho rolos de fotografias por revelar, um gravador pois nunca sei se vou ser jornalista mais tarde, os bilhetes de todos os concertos, o meu VHS dos Backstreet Boys.

E agora quero-vos fazer uma pergunta...  porque ainda temos aquelas calças jeans desde 15 anos? 

Logicamente que estamos acabar a dieta, ou estamos a espera que nós de mononucleose para ver se ainda cabemos nelas.

E depois ainda há aquelas coisas que nos prometemos que deitavamos fora e nunca acontece como as cartas da minha primeira namorada (na altura não havia internet), as cartas da minha segunda namorada e um postal da minha terceira namorada (foi um relacionamento curto).

 

E normalmente é de esperar que as muelheres neste campo sejam um desastre, mas devo confessar que os homens são o pior. 

Nós somos capazes de guardar calças de 1997, porque ainda pesamos que esse modelo ainda se usa. E temos o mesmo casaco de cabedal que usavamos quando iamos sair a noite no inicio da década, porque foi muito caro e ainda esta bom a ser usado. E pior são as cuecas e boxers.. custa muito desfazermo-nos delas... parece que quanto maior é  buraco, mais orgulho e amor sentimos pelo objecto. 

Por isso há que deitar fora tudo o que não importa. 

Os vernizes de unhas seco, a bandana do concerto passado e a cima de tudo... o molde para fazer sufflé. 

Vamos ser sinceros que até ao José Avillez dá-lhe preguiça de fazer sufflé. E mas que raio é um sufflé? 

 

E antes de acabar:

E outra coisa que guardamos com otimismo e carinho são as luzes de Natal. Não importa o cuidado com que o faremos, mesmo que o façamos com luvas, embrulhadas em papel de seda, que as ponhamos numa caixa ou num joalheiro... não importa o que aconteça, nunca irão funcionar. Todos os anos compramos umas novas. 

http-__wwwmessiemothercom_-Author-Thomas-Haemmerli

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:19


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D